Página Inicial Notícias CorrupçãoEsportesSaúdePoliciaGaleria de Imagem
Buscar
       



Notícias
Notícias
Esportes
Negócios
Destaques
Brasil
Mundo
Cultura
Saúde

Serviços
Guia comercial
Classificados

Entretenimento
Mural de Recados
Bate Papo



Untitled Document
Enquetes
Qual linguagem prefere?
PHP
Perl
ASP
JSP
Python
Outros


Ver resultados
 
 
notícia publicada em 28/05/2011
Após quatro anos, Egito reabre fronteira com a Faixa de Gaza
O Egito abriu neste sabado a passagem de Rafah, que liga seu território à Faixa de Gaza, cancelando o bloqueio que impôs ao território palestino nos últimos quatro anos, desde que o Hamas tomou o controle da região.
Agencia Press - Agencia Pres: Brasil Imprimir  
 
 Créditos da Foto: BBC 
Logo depois da abertura da passagem de Rafah, centenas de palestinos da Faixa de Gaza cruzaram a fronteira em direção ao Egito.

A medida do governo egípcio, que foi fortemente criticada por Israel, ocorre cerca de três meses depois que Hosni Murabak deixou a Presidência do Egito, depois de quase 30 anos no poder.

O governo israelense ainda acredita que armas possam ser levadas para dentro de Gaza por meio da fronteira egípcia, mas o Egito insiste que irá revistar todas as pessoas que passarem pela divisa.

O correspondente da BBC em Gaza Jon Donnison afirma que a decisão de reabrir a passagem de Rafah é simbolicamente importante, representando mais um sinal de que a nova liderança egípcia está mudando a dinâmica do Oriente Médio.

Mesmo com as preocupações de Israel quanto à segurança, Donnison diz que, com eleições presidenciais previstas para o Egito, a mudança de postura provavelmente será popular junto ao público simpático à causa palestina.

Emissão de visto

A passagem de Gaza para o Egito será livre para mulheres de todas as idades e para homens de até 18 anos e acima de 40.

Homens de idades entre 18 e 40 anos terão que obter um visto que será emitido pelo consulado egípcio em Ramallah, na Cisjordânia.

Segundo as autoridades egípcias, a fronteira permanecerá aberta todos os dias a partir deste sábado, das 9h às 17h, exceto nas sextas-feiras e em feriados religiosos.

O morador de Gaza Ali Nahallah, que não havia deixado o local por quatro anos, disse à BBC que as mudanças são benvindas.

"Claro que este é o nosso único ponto de entrada para o mundo externo", disse. "Nós nos sentimos como que vivendo em uma grande jaula em Gaza, então agora nos sentimos um pouco mais confortáveis, e a vida está mais fácil agora", afirmou.

"Meus filhos estão dispostos a viajar para ver outros lugares diferentes de Gaza."

O diretor do Centro de Saúde Mental da Faixa de Gaza, Hussan El Nounou, disse à BBC Brasil que hoje os moradores de Gaza estão "muito contentes".

"Todos falam só disso e sentem uma sensação de alivio, a abertura de Rafah é sem dúvida um passo positivo e teremos mais liberdade de ir e vir", disse El Nounou.

Mas, segundo ele, a abertura de Rafah representa só uma pequena parte da solução do problema do bloqueio à região. "Queremos ter liberdade de visitar nossos parentes na Cisjordânia", disse.

Porém, para que um palestino da Faixa de Gaza possa se deslocar até a Cisjordânia, teria de passar por Israel, e as autoridades israelenses não permitem esta passagem, exceto em "casos humanitários extraordinários".

Cooperação de Mubarak

O ex-presidente egípcio Hosni Mubarak tinha cooperado com a política israelense de bloqueio à Faixa de Gaza desde 2007, quando o Hamas tomou o controle da região.

O governo interino que assumiu o poder no Egito depois da queda de Mubarak declarou sua intenção de mudar a situação em Gaza e, em abril deste ano, o novo ministro das Relações Exteriores do país, Nabil Al Arabi, anunciou a decisão de abrir a fronteira de Rafah "para aliviar o bloqueio e o sofrimento do povo palestino".

O governo israelense, que mantém o controle das demais fronteiras terrestres da Faixa de Gaza, além do domínio do espaço aéreo e marítimo da região, criticou a medida das autoridades egípcias.

"É impensável abrir a fronteira de Rafah", disse o vice-primeiro ministro de Israel, Silvan Shalom, à radio estatal Kol Israel.

"Agora aumenta o perigo de que agentes iranianos e terroristas da Al-Qaeda entrem na Faixa de Gaza", acrescentou.

Para a ONG israelense de direitos humanos Gisha ("Acesso", em tradução livre), a "ampliação da possibilidade de palestinos viajarem para o exterior, através da fronteira de Rafah é um passo positivo, mas não responde à necessidade de se permitir a passagem de mercadorias para a Faixa de Gaza e de pessoas para a Cisjordânia".

A diretora da Gisha, Sari Bashi, disse à BBC Brasil, que Israel continua impondo limitações "rígidas" à importação e exportação de produtos da Faixa de Gaza.

De acordo com Bashi, "Israel viola o acordo de 2005 no qual se comprometeu a respeitar o direito de passagem de palestinos de Gaza para a Cisjordânia".



 
Oriente Medio
Fronteira aberta Após quatro anos, Egito reabre fronteira...
Crime organizado
O que é o crime organizado
Escravidão
O trabalho escravo no Brasil
Nutrição
Não indicado para crianças! E nem para adultos.

 Todos os direitos reservados a Agencia Press: A noticia acima de qualquer suspeita